top of page

Refazendo a história: usando técnicas egípcias


Em um artigo publicado no site The Conversation, uma matéria nos chamou atenção.


É possível recriar o azeite usando técnicas egípcias em casa?


Sim, é possível e podem ter certeza que na próxima colheita essa experiência vai ser executada por nós.


Acadêmicos estão recriando as práticas históricas avaliando como isso impacta hoje.

O azeite é o alimento muito antigo, ao lado do vinho, cereais e o queijo em algumas regiões do mediterrâneo nas culturas cananéia, fenícia, grega e romana, e presente no Egito muito antes.

De acordo com o escritor romano Plínio, o Velho (século I dC):


há dois líquidos que são especialmente agradáveis ​​ao corpo humano, o vinho por dentro e o óleo por fora [...] [sendo este último] uma necessidade absoluta.


Conforme cita a matéria o azeite de oliva era usado para uma ampla variedade de finalidades na antiguidade: combustível para cozinhar, iluminação e aquecimento; higiene pessoal; arte; e dentro da dieta diária.

Muitos textos revelam a atividade agrícola dos gregos, romanos e fenícios dedicados à produção do azeite.

Autores como Columela, Paládio, Plínio e Catão, o Velho, e o Cartaginês – o pai da agricultura – debatem quais ferramentas e equipamentos são necessários, como e onde cultivar oliveiras, quais trabalhadores são necessários e a variedade de azeitonas e azeites.

Com detalhes impressionantes, destacam além das orientações para a produção, e também receitas para vários tipos de azeites retratados na arte e na iconografia.


Recriando o azeite egípcio antigo

Um dos primeiros, se não o primeiro, métodos de prensar substâncias para produzir um líquido como vinho ou óleo foi por torção.

Este método envolve encher um saco permeável com a fruta esmagada, inserindo palitos em cada extremidade do saco antes de torcê-los em direções opostas. Isso comprime o saco e o líquido é filtrado. Como pode ser visto na pintura abaixo, onde o método de torção é retratado, do Antigo, Médio e Novo Reinos. O exemplo mais antigo conhecido está no túmulo de Nebemakhet por volta de 2600-2500 aC.

Este método durou milênios. Há evidências para o uso do método do saco de torção da Veneza pré-industrial, Espanha e Córsega, e é ilustrado na Itália do início do século XX.

As representações egípcias da prensa de torção muitas vezes foram consideradas relacionadas à produção de vinho, mas queríamos saber: ela também poderia ser usada efetivamente para fazer azeite?


Pintura mural representando uma prensa de 'bolsa' de torção entre dois pólos. Pessoas de ambos os lados torcem a bolsa em direções opostas usando bastões colocados através de brechas. De dentro do túmulo ca.1450 aC de Puyemre. Wikimedia Commons


Pintura mural representando uma prensa de 'bolsa' de torção entre dois pólos. Pessoas de ambos os lados torcem a bolsa em direções opostas usando bastões colocados através de brechas. De dentro do túmulo ca.1450 aC de Puyemre. Wikimedia Commons


Com a falta de evidências arqueológicas escritas e estruturais as representações em pinturas murais e em relevo são algumas das únicas pistas no Egito.


Acompanhados por métodos básicos de esmagamento da azeitona, conhecidos desde o Neolítico e ainda utilizados até recentemente, pretendemos usar esses processos para testar a eficácia e a qualidade do azeite alcançável.


É difícil determinar exatamente qual tecido era usado na antiguidade para a bolsa, então os pesquisadores decidiram usar uma gaze simples.


Uma mistura de azeitonas verdes e pretas, ainda usadas por produtores italianos tradicionais hoje para criar azeite extravirgem de alta qualidade, foi colhida no final do outono australiano de meados de maio.


Seguindo as recomendações antigas, eles foram lavados antes do processamento.


Antes que ocorra a torção, é necessário o esmagamento para rasgar a polpa da azeitona. Isso permite a liberação de óleos sob pressão. Foi usado um almofariz e pilão básicos – uma técnica documentada arqueologicamente desde cerca de 5000 aC.

Quanto mais maduras as azeitonas melhor para o processo.


Não é de surpreender que tenham ocorrido avanços através das eras clássica e grega helenística, incluindo argamassas rotativas maiores, chamadas de trapeta (ou mais tarde, a mola olearia), permitindo que maiores quantidades fossem processadas com facilidade.


Após o esmagamento, a polpa foi colocada em um saco de gaze e vários métodos de torção foram testados: torção em ambas as extremidades; ancorar uma extremidade e torcer a outra; e primeiro embebendo a fruta em água quente para liberar óleos antes de torcer.




Exemplo de uma prensa 'saco' de torção de extremidade única em uma estrutura fixa de madeira. Wikimedia Commons


Foi imediatamente perceptível que a pressão suave funcionou bem, proporcionando um gotejamento lento, mas constante de líquido e minimizando quaisquer materiais sólidos sendo forçados através do pano. Múltiplas camadas de pano foram necessárias para evitar rasgos, mas isso também tornou o processo de filtração mais lento e menos permeável.


Uma pressão lenta e suave

Um compromisso no meio criou os melhores resultados: uma pressão suave e lenta, ancorando uma extremidade e torcendo a outra.


Um dos lotes experimentais de azeite a assentar. As camadas de óleo e água vegetal (borras ou amurca) são facilmente distinguíveis.



Alguns métodos de prensagem separaram o óleo muito mais rápido, com uma fina camada amarela flutuando na superfície da água vegetal em apenas alguns minutos. Outros métodos não se separaram mesmo quando deixados durante a noite e ficamos com uma espessa mistura marrom de água vegetal (a amurca romana) e óleos. Até Plínio observou que “as mesmas azeitonas podem frequentemente dar resultados bastante diferentes”.


Os potes de sucesso produziram um delicioso azeite. Picante e amargo - assim como um bom azeite extravirgem recém-prensado.


Apesar do fato de que quase nenhuma evidência arqueológica é conhecida de instalações reais de azeite no Egito faraônico, com a iconografia fornecendo as únicas pistas reais, este experimento mostrou claramente que é possível prensar azeitonas e produzir azeite usando este método frequentemente descrito.


Curiosidades a parte, é um processo fácil e que podemos fazer em casa. Vamos tentar?


Convidamos a todos que na próxima colheita possamos realizar essa experiência e ver o resultado. Que tipo de azeite vamos obter?


Fonte: The conversation

Por Dr. Emlyn Dodd - arqueólogo que investiga a antiga produção de vinho e azeite em todo o Mediterrâneo.

留言


Post: Blog2_Post
bottom of page