top of page

Divulgado o CADASTRO OLIVÍCOLA DO RIO GRANDE DO SUL 2022 na Expointer

O Rio Grande do Sul é atualmente o maior produtor de azeite de oliva do Brasil. Segundo dados do Programa Estadual de Desenvolvimento da Olivicultura (Pró-Oliva), em 2022 foram produzidos 448,5 mil litros de azeite no estado.

É preciso ressaltar que a oliveira foi introduzida no estado por imigrantes portugueses, porém, seu cultivo serviu mais para fins ornamentais e para consumo próprio, tendo quase desaparecido. A partir dos anos 2000, no entanto, o interesse pela exploração comercial da planta vem crescendo, e a área de cultivo de oliveiras tem aumentado expressivamente.

O papel do Estado nessa expansão tem sido ativo, através de ações da Secretaria da Agricultura Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), em parceria com outras instituições. Entre as ações empreendidas pela SEAPDR, podemos elencar o financiamento dos primeiros olivais, em 2005, e a criação do Grupo Técnico da Olivicultura, em 2008.

O grupo formado por extensionistas e pesquisadores passou a trabalhar na adaptação de tecnologias de outros países para as condições de clima e solos do RS. As primeiras recomendações para os produtores foram disponibilizadas em 2009. Em 2012 houve a criação da Câmara Setorial das Oliveiras e a instituição da primeira abertura oficial da colheita da oliva no RS.

Ainda, pode-se destacar o lançamento do Pro-Oliva, Programa Estadual de Desenvolvimento da Olivicultura, através do Decreto 52.479 de 29 de julho de 2015, que intensificou a cooperação e as ações envolvendo instituições estaduais, federais, municipais e a iniciativa privada.

O apoio da Câmara Setorial das Oliveiras foi decisivo na criação e estruturação do Instituto Brasileiro de Olivicultura (IBRAOLIVA) em 2017. A realização de um cadastro olivícola naquele momento era uma necessidade do setor, para se conhecer a realidade produtiva da cadeia. O levantamento de dados foi realizado em 2017 e forneceu informações sobre área plantada, distribuição, número de olivicultores, viveiristas e indústrias processadoras, produção de azeite.

Em março de 2018 foram publicados os resultados do primeiro Cadastro Olivícola do Rio Grande do Sul. Naquele momento o Cadastro contava 145 olivicultores em 56 municípios, perfazendo uma área plantada de 3.464,6 hectares. Os dados apontaram um crescimento de área plantada que superava, em dezembro de 2017, a meta inicialmente estabelecida pelo Pró-Oliva para o final de 2018, que seria de 3.000 hectares (JOÃO; ALMEIDA; AMBROSINI, 2018). Passados quatro anos desse primeiro levantamento, e, dada a expansão da área plantada com oliveiras e da produção de um produto com alto valor agregado, que é o azeite de oliva no estado, uma atualização no Cadastro se mostrou necessária. Para tanto, pesquisadores, extensionistas e técnicos do Departamento de Políticas Agrícolas e Desenvolvimento Rural (DPADR), Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA), Emater-RS/Ascar e o Ibraoliva propuseram a realização de um novo Cadastro Olivícola em 2021.

A coleta de dados iniciou no final do segundo semestre do mesmo ano e foi finalizada nos primeiros meses de 2022. O objetivo foi levantar informações sobre área plantada, 9 número de produtores, variedades plantadas, idade dos olivais e sistemas de manejo adotados. Ainda, buscou-se atualizar as informações sobre as unidades de produção de azeite e volume de produção, bem como, sobre a produção de mudas.


Confira na integra os resultados do Cadastro Olivícola do Rio Grande do Sul 2022

Clique na imagem abaixo



Um estudo realizado pelos pesquisadores e extensionistas Larissa Bueno Ambrosini (Pesquisadora, Doutora em Gestão, Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA)/SEAPDR), Antonio Carlos Leite de Borba(xtensionista Rural, Mestre em Sensoriamento Remoto, Emater-RS/Ascar.), Altamir Mateus Bertollo (Analista Agropecuário Florestal, Doutor em Ciência do Solo, Departamento de Políticas Agrícolas e Desenvolvimento Rural (DPADR)/SEAPDR), Paulo Lipp João (Diretor do Departamento de Políticas Agrícolas e Desenvolvimento Rural (DPADR) , Andréia Mara Rotta de Oliveira (Pesquisadora, Doutora em Fitopatologia, Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA)/SEAPDR), que brilhantemente compilaram os dados nos dando as informações reais sobre o setor na atualidade. Parabéns pela riqueza de detalhes.


Referência:

AMBROSINI, Larissa Bueno et al. Cadastro olivícola do Rio Grande do Sul 2022. Porto Alegre: SEAPDR/DDPA, 2022. 28 p. (Circular: divulgação técnica, 13).

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page