top of page

Olivicultores abrem safra com olhar para práticas sustentáveis e incentivo ao olivoturismo


Foi com uma chuva de azeitonas que produtores e autoridades celebraram a 12ª Abertura Oficial da Colheita da Oliva, em evento realizado nesta sexta-feira, 16 de fevereiro, no Parque Olivas de Gramado, em Gramado (RS), e promovido pelo Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva), em parceria com a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) e a Prefeitura de Gramado e com correalização da Olivas de Gramado. O ato simbólico substituiu a ida ao olival da família Bertolucci, em razão da chuva.



O presidente do Ibraoliva, Renato Fernandes, em sua fala, destacou que na noite anterior, a família realizou a primeira extração de azeite desta safra. Ele também pontuou que a Serra gaúcha, por não ter sofrido tanto com os efeitos das intempéries, surpreendeu com a produção dos olivais. “Nós tivemos, na Serra gaúcha, uma produção interessante, até superior à produção do ano passado”, afirmou. Fernandes disse que em termos de produção da safra 2024, é preciso considerar as diferenças das diversas regiões produtoras. “Mas nós teremos colheita, com redução de carga de fruta, que é uma redução importante, o que já era esperado pela sazonalidade. Nós temos sempre um ano com maior produção e no ano seguinte uma produção menor”, disse, ressaltando que além da questão da bianualidade, os olivicultores também enfrentaram uma grande incidência de calor, de seca no início do ano de 2023, além de um inverno sem muitas horas de frio - é preciso 400 horas de frio abaixo de 10 graus - e depois, as chuvas. O presidente do Ibraoliva explicou que justamente no momento de florescimento não houve polinização e grande parte das flores não se tornaram frutos. “Aqueles frutos que se formaram são extremamente saudáveis, portanto, é claro que houve uma redução de frutas, mas a qualidade aumentou”, complementou.




André Bertolucci, diretor do Olivas de Gramado, fez uma fala emocionada, referindo-se aos demais produtores gaúchos que enfrentaram a seca e chuva em suas propriedades e enalteceu os azeites gaúchos. “São azeites premiados internacionalmente, com mais de 500 prêmios. É muito trabalho, é muito suor, muito sangue, eu sei o que vocês passam quando estão colhendo nos olivais e também nos solidarizamos com os produtores que tiveram perdas em decorrência dos fenômenos climáticos do ano passado, mas a oliveira é uma árvore resiliente e ela vai nos dar força para uma excelente safra em 2025,” projetou.


Giovani Feltes, Secretário da Agricultura, ressaltou a excelência da produção gaúcha. Disse que o estado tem produtores acumulando, do ponto de vista da cientificidade, a experiência que gera um cultivado absolutamente adequado no seu manejo e na extração daquilo que é a riqueza que representa o azeite de oliva. “Já são mais de dois mil e 500 empregos diretos na atividade da olivicultura no Rio Grande do Sul. São 22 lagares instalados no Estado e dos mais variados portes, 360 produtores e com perspectiva de ampliação. A qualidade da oliva continua assegurada. Aqui na Serra não tivemos esses efeitos climáticos tão adversos, o exemplo é a qualidade do azeite que se produz aqui, nesta casa”, completou.


O governador Eduardo Leite, que durante o carnaval plantou mudas de oliveiras na residência oficial em Gramado, se posicionou alinhado aos olivicultores, respondendo ao pedido de apoio. “O governo do estado vai estar ao lado sempre do produtor, seja buscando viabilizar financiamentos adequados à infraestrutura necessária, seja cobrando e estimulando a fiscalização para que tenhamos a proteção à qualidade dessa produção e que ela seja, portanto, colocada nas prateleiras com a leal concorrência e não a desleal, onde o consumidor compra um azeite não condizente com a descrição do rótulo”, enfatizou. Disse ainda que a realização do evento no Olivas de Gramado é uma forma de colocar ainda mais, em destaque, a capacidade de produção do estado.

Durante a cerimônia da Abertura da Colheita também foi assinado um convênio entre o Ibraoliva e o Ministério da Agricultura e Pecuária para fiscalização, pesquisa de qualidade e identidade de azeites comercializados de maneira virtual. A Abertura Oficial da Colheita da Oliva contou também com palestras sobre olivoturismo e sustentabilidade.

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page