top of page

Muito além da embalagem

O consumidor sofre inúmeras influências em seu cotidiano, sejam elas culturais, pessoais ou sociais, determinando direta ou indiretamente na sua decisão de compra. Mudou seu comportamento relacionado ao consumo, e é fundamental conhece-lo cada vez mais, e melhor, pois está mais informado e exigente, devido as opções proporcionadas na economia globalizada, aumentando assim as importações de produtos e bens que antes não tinha acesso. Muito tem se falado a respeito da dieta do mediterrâneo, e a sua influência na saúde humana, e que muitos consumidores aderiram em busca de qualidade de vida. O azeite de oliva extravirgem faz parte desse contexto, e seu consumo tem aumentado gradativamente nos últimos anos. Com esse intuito este estudo busca analisar a seguinte problemática: como se comporta o consumidor em relação ao consumo de azeites de oliva, proporcionados pelo mercado? Para tanto, este estudo relata o perfil do consumidor de azeite de oliva, e que via plataforma digital foram entrevistadas 4340 pessoas, com um questionário contendo 15 questões abertas e fechadas e de múltipla escolha, através do Google Forms, analisando assim o seu perfil. O estudo foi realizado de dezembro de 2018 a fevereiro de 2020 e analisados a seguir.

Análise de dados

No que se refere aos resultados obtidos neste estudo, nota-se que, estudos relacionados ao comportamento do consumidor, é vital para o entendimento de sua forma de consumo, e qual o perfil, também o que está envolvido no processo de tomada de decisão, para a compra de um determinado produto. Produto em questão, o azeite de oliva, tem sido coadjuvante em muitos lares, devido a disseminação da dieta do mediterrâneo, que a partir de 2006, vem sendo cada vez mais difundida, e que tem como base o azeite de oliva, desta forma, trouxe aos brasileiros um novo conceito de qualidade de vida, através dos alimentos saudáveis e de qualidade.

Para tanto, a informação passa a ser chave na decisão do consumidor, pelo produto A ou B. Como pode ser observado, muitos consumidores buscam informações sobre os produtos que pretendem adquirir com o auxílio da internet, representando 71,8% dos respondentes. Também a influência dos amigos em escolhas se fez presente com 40,3% e por conta de vendedores em estabelecimentos comerciais de 20,9%, e a família representa 16,7% dos respondentes.

A família, pode trazer à tona a tradição familiar em consumir determinado produto, o que está muito presente na cultura de consumir azeite de oliva nas refeições. Os respondentes quando questionados sobre se consumiam o azeite de oliva a resposta positiva ao questionamento foi de 92,7%, e 7,3% não consome. Referente aos consumidores que consomem o azeite em relação a frequência desse consumo, como pode ser observado na tabela 1, 40,1% consome todos os dias, 15,9% em três dias da semana, 10,7% duas vezes na semana e 26,9% uma vez na semana. Dos entrevistados, 96% consideram importante o consumo de azeite de oliva extravirgem para a saúde.

Referente aos consumidores que consomem o azeite em relação a frequência desse consumo, 40,1% consome todos os dias, 15,9% em três dias da semana, 10,7% duas vezes na semana e 26,9% uma vez na semana, e 6,4% não consomem azeite por não agradar o paladar. Em relação a preferência em relação a origem dos azeites os consumidores, conforme a tabela 1:

Tabela 1: País de origem do azeite de oliva preferido pelo respondente Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

Ao mencionar o Brasil com 24,1% dos produtos consumidos, e em complemento a tabela anterior, esses estão divididos em: (Tabela 2).

Tabela 2: Estado do Brasil de origem do azeite de oliva preferido pelo respondente Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

Em relação as embalagens a garrafa de 500 ml é a mais consumida, destacada na pesquisa com 60,8%, seguida da garrafa de 250ml com 32,7% e a garrafa de 1 litro 6,5%. Em relação ao consumo, os respondentes foram questionados sobre onde compram os azeites, de acordo com o gráfico 1.

Gráfico 1: Análise do rótulo Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

.

A origem, como mencionado anteriormente, pode revelar o gosto do consumidor por determinadas características dos azeites. Seja a escolha por um azeite mais frutado suave ou um mais intenso.

A acidez não se refere ao sentido que a palavra ácido possui normalmente quando se fala em azeite. Em termos químicos, a acidez está ligada a proporção de ácidos graxos livres em relação ao ácido oleico, presente no azeite, não podendo ser superior a 2%. Esse fator é apenas uma análise química que mostra todo o cuidado do produtor com o processo de produção, desde o estado dos frutos, tratamento ou conservação dos frutos e não pode ser relacionado ao sabor.

Ainda podemos citar que o azeite de oliva extravirgem deve ter no máximo 0,8 de acidez em relação ao ácido oleico segundo as normas estabelecidas pelo COI – Conselho Oleícola Internacional. Após observar esses itens foram questionados sobre o por que compram azeite de oliva extravirgem como visto na tabela 3.

Tabela 3: Fatores que determinam a compra Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

Em relação ao sabor, 67,2% dos consumidores preferem azeites mais suaves ao paladar, 15,7% preferem os azeites mais picantes e apenas 7% preferem os azeites mais amargos. Desse modo, e levando em consideração então a forma equilibrada em que os azeites estão sendo produzidos o consumidor tenderá apurar seu paladar, como já pode ser observado.

Desta forma, podemos dizer que, o consumidor tem vários pontos para decidir na hora de adquirir seu azeite, seja ele nacional ou importado. Cabe aos produtores ficarem atentos aos itens pesquisados, e ao consumidor cabe a experiência de desfrutar um bom azeite, observando as características que fazem com que escolha por uma ou outra marca.

FIQUE ATENTO: Alguns azeites são apreendidos por serem adulterados. Essas informações estão disponíveis nas mídias a todo o momento.

Busque informações antes de escolher seu azeite.

Cite a fonte de forma correta, caso queira usar os dados.

GOMES, Luciane da S. . Muito além da embalagem: Pesquisa revela o comportamento do consumidor brasileiro ao escolher o azeite de oliva extravirgem. Revista Azeites e Olivais. Edição on-line de 04 de novembro de 2020. Disponível em azeiteseolivais.com.br

Comentarios


Post: Blog2_Post
bottom of page