top of page

Brasileira Lagar H é a primeira marca de azeites conquista certificação de carbono negativo

Com iniciativas sustentáveis desde sua fundação, a empresa se dedica cada vez mais a reduzir seu impacto no mundo. O resultado foi a conquista de uma certificação inédita, que demonstra que a remoção e armazenagem de carbono é maior que as emissões de gases de efeito estufa


Lagar H tem muitos motivos para celebrar: a empresa gaúcha de azeites tornou-se a primeira do mundo a demonstrar o status de carbono negativo. O que isso significa na prática? Que a empresa remove e armazena mais carbono ao longo do tempo do que emite de gases de efeito estufa (GEE), considerando todo o processo de cultivo de azeitonas, produção e distribuição de azeites extravirgens de altíssima qualidade (com mais de 70 premiações nacionais e internacionais).



Ser carbono negativo vai muito além do carbono zero (quando o saldo entre emissões e remoções é igual a zero) ou da neutralidade de carbono (quando ocorre compensação por meio da compra de créditos) e demonstra o compromisso da família Haas, que trabalha para incentivar o consumo e o conhecimento sobre o que é o azeite extravirgem, valorizando o produto nacional e incentivando o consumidor brasileiro a fazer escolhas mais conscientes, saudáveis e saborosas. “A economia de baixo carbono é algo imprescindível e urgente, e a conquista dessa certificação inédita mostra que estamos no caminho certo. Produzimos um dos melhores azeites do mundo, reconhecido por tantos prêmios internacionais, mas faz parte da nossa missão causar o menor impacto ambiental possível, pois esse é o legado que desejamos deixar na terra”, comenta Glenda Haas, azeitóloga e produtora à frente da marca.

Analisando de forma detalhada o balanço de carbono que resulta do processo de produção e distribuição dos azeites fabricados pela marca, há dois anos a Lagar H vem investindo no levantamento das emissões dos gases do efeito estufa (GEE) geradas desde sua criação.

Por meio do seu Inventário de Emissões de GEE de 2022, realizado pela FAU Agricultura e Meio Ambiente, foi verificada uma redução de mais de 80% em suas emissões comparado ao ano base (2021). O grande diferencial do último ano foi a quantificação da remoção de carbono da atmosfera pelos olivais, que são cultivados na propriedade com práticas regenerativas de agricultura. Considerando o incremento anual de carbono na biomassa destas árvores e as remoções de CO2 relacionadas às mudanças no uso da terra nas áreas agrícolas, constatou-se que a remoção de carbono é 1.266% superior às emissões originadas pelas atividades da Lagar H. Com o relatório em mãos, a Lagar H buscou o respaldo de uma certificação oficial.

A análise cuidadosa dos dados foi conduzida pela certificadora SGS, envolvendo visitas técnicas à fazenda, e resultou na conquista de uma certificação inédita para o segmento de azeites de oliva.


Sustentabilidade como um caminho natural

Desde o início do projeto, em 2014, quando foram plantadas as primeiras oliveiras, as preocupações socioambientais já estavam presentes, orientando a escolha de métodos sustentáveis de cultivo, extração e distribuição dos azeites. À frente do negócio, a família Haas busca formas de construir um legado positivo para as próximas gerações e por isso trabalha no presente para implementar práticas que demonstram seu compromisso socioambiental.




Com a consultoria da RosVale Assessoria Empresarial, estruturou sua estratégia de ESG (sigla para Environmental, Social and Governance) buscando tornar ainda mais potentes as práticas ancoradas nos três pilares da sustentabilidade ─ ambiental, social e de governança. A partir de constante aprendizado em cada etapa do processo e, principalmente, nas relações ─ com a terra, com a natureza e com as pessoas ─, a marca é signatária do Pacto Global da ONU e vem cumprindo com 94% dos 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), dados que constam do primeiro Relatório de Impacto reportado pela empresa. Instalado dentro do olival em Cachoeira do Sul (RS), o lagar próprio (como é chamado o local em que se extrai o azeite) foi inteiramente projetado e erguido de acordo com as normas de construção verde LEED - Leadership in Energy and Environmental Design (em processo de certificação), que atesta as práticas sustentáveis utilizadas na construção e também na operação da planta produtiva.


Assim como na estrutura física, a sustentabilidade norteia escolhas e decisões do negócio, seguindo a certificação B, processo iniciado desde 2022, é uma iniciativa global que reúne empreendimentos e pessoas que têm o propósito de trabalhar para a estruturação de uma nova economia que zela pelo bem-estar das pessoas, da natureza e da sociedade como um todo.




Entre os esforços para combater as mudanças climáticas e reduzir o impacto ambiental e social das atividades da Lagar H desde o início, destacam-se:

Práticas regenerativas de agricultura: processos que garantem o solo fértil e saudável por meio de práticas estudadas e acompanhadas por profissionais altamente qualificados, evitando ou minimizando a aplicação de defensivos, amparados pelos requisitos do sistema de produção integrada (PI);

Implementação de painéis solares: placas fotovoltaicas foram instaladas no início de 2023 para abastecer com energia limpa todo o maquinário da produção e também a estrutura administrativa;

Estação de tratamento de água: com capacidade de 1000 litros por hora, permite o tratamento diário de toda a água utilizada no processo produtivo;

Tratamento adequado de efluentes: protegendo o lençol freático de contaminações e fornecendo correto destino aos dejetos;

Cisterna para captação de água da chuva: a água coletada é usada na limpeza do prédio e na jardinagem. O excedente é enviado para a bacia de captação de água;

Realização, nos dois últimos anos, de inventário de emissões de gases do efeito estufa (GEE);

Mapeamento da Propriedade: levantamento para agricultura de precisão que possibilita melhorias no planejamento das operações nos pomares como tratamentos, adubação, podas, fluxo de materiais, além de melhorar controles de rastreabilidade e gestão das operações como um todo;

Gestão responsável de resíduos e destinação da pasta da azeitona, esta resulta do processo produtivo, após a extração do azeite, e é utilizada como ração ou adubo, além de ser destinada também a valas de compostagem de acordo com as normas da FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler - RS;

Conquista da Certificação de Produção Integrada (PI) junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA). Lagar H foi uma das primeiras empresas no país a receber esse certificado, que garante ao consumidor que o alimento é seguro, com origem conhecida e produzido em conformidade com as Boas Práticas Agrícolas, contribuindo para o desenvolvimento sustentável na produção de alimentos aliado ao respeito à natureza;

Tornou-se signatária dos 10 Princípios do Pacto Global, parceria que representa o compromisso em promover práticas empresariais responsáveis, sustentáveis e alinhadas aos 10 Princípios do Pacto Global e aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, contribuindo para um futuro mais justo, equilibrado e resiliente;

Elaboração e distribuição do Código de Cultura, Ética e Conduta, um documento que pauta os compromissos da empresa e sua maneira de se relacionar com seus variados públicos, como fornecedores e parceiros;

Criação do Manual do Colaborador Lagar H, um documento que reúne orientações sobre os direitos, responsabilidades e benefícios do colaborador de forma transparente, norteando a construção de relações pautadas por valores éticos;

Elaboração e publicação do Relatório de Impacto da Lagar H, que compila e analisa dados referentes aos anos de 2021 e 2022, registrando o compromisso da empresa com a sustentabilidade, com a transparência e com a construção de um futuro melhor.



O Lagar


Muito mais do que o local para extração dos azeites, Lagar H é a casa da família Haas. Os olivais cultivados na propriedade em Cachoeira do Sul reúnem oliveiras de oito variedades diferentes, que se estendem por 170 hectares. Plantadas seguindo o espaçamento ideal, as oliveiras recebem podas especiais, procedimento que garante a entrada dos raios solares, a ventilação e frutos em sua máxima expressão de vivacidade.

A colheita manual semi-mecanizada e mecanizada é feita de forma ágil, em chão forrado, o que evita o contato das azeitonas com o solo e garante sua rápida retirada do campo. O lagar fica dentro do olival, o que, além de reduzir o impacto ambiental, permite que as azeitonas sejam extraídas a frio no menor tempo possível, preservando todo o frescor da matéria-prima.



As azeitonas são colhidas, transportadas em caixas especiais para, então, terem o suco extraído. O maquinário italiano de última geração (um dos únicos no Brasil) foi totalmente adaptado às condições locais, peculiaridades da colheita e variedade de cada azeitona, garantindo a qualidade do começo ao fim.

O resultado é um azeite muito fresco e de sabor inesquecível - e que também segue todos os rígidos critérios de produção e fiscalização para ser um alimento certificado como kosher. Depois da extração, o líquido é conservado em tanques de aço inox com nitrogênio em sala climatizada, sem contato com luz, e o envase é feito ali mesmo, usando garrafas com lacre inviolável. Isso permite o controle de todo o processo de produção e um azeite sempre fresco, com garantia de origem e procedência, além da preservação das características sensoriais e dos compostos fenólicos benéficos à saúde por mais tempo.


Azeitóloga e produtora à frente da Lagar H


Advogada e administradora de formação, Glenda Haas sempre se interessou por estudar sobre alimentos.

Ao olhar para um ingrediente tão presente em seu dia a dia, o azeite de oliva, ela decidiu pesquisar a respeito e teve acesso a um dado que a surpreendeu: descobriu que este é o segundo alimento mais fraudado do mundo. Essa informação contribuiu para mudar o curso de sua trajetória profissional e, junto ao pai, Glenda criou um projeto que, inicialmente, parecia algo impossível de tirar do papel: cultivar azeitonas no Brasil e fazer desta cultura, tão perene e milenar, o legado da família. Ela deixou para trás a carreira para mergulhar no desafio e no universo da olivicultura, sobre o qual se especializou nos Estados Unidos, Itália e Portugal.

De volta ao Brasil, tudo ficou mais claro: para concretizar o sonho era preciso estar presente em cada etapa do processo, criando um ciclo virtuoso de respeito à natureza e às pessoas. E assim o fez. Hoje, coordena a equipe de profissionais dedicada ao cultivo das oliveiras e a produção dos azeites extravirgens da Lagar H. Capacitada, envolvida e aprendendo cada vez mais, Glenda orgulha-se dos frutos da empreitada, celebrando cada flor, cada azeitona, cada gota de azeite.


Lagar H Site: lagarh.com

Instagram: instagram.com/lagarhazeite

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page